Connect with us

Renda Fixa

Tesouro Selic X Poupança: O que vale mais a pena?

Avatar

Publicado

on

Estoque do Tesouro Direto cresce 5,13% em 2020, para R$ 62,70 bilhões |  Poder360
Saiba mais sobre estas duas formas de investimento em renda fixa.

Ninguém quer sair no prejuízo! Mas já parou para pensar que fazer um investimento com rentabilidade baixa também é perder dinheiro? Saber onde você pode obter um maior retorno financeiro pode ser a chave para o seu sucesso.

Hoje vamos falar sobre a Poupança e o Tesouro Selic. Está em dúvida sobre qual destes te trás mais vantagens? Continue a leitura que nós explicamos para você.

Segurança

Esse é um fator muito importante em qualquer investimento! Antes de colocar seu dinheiro em qualquer aplicação é preciso saber se está é segura. A Poupança é coberta pelo FGC. Sabe o que é isso?

FGC é a sigla para Fundo Garantidor de Crédito. Essa é a garantia que caso o banco que você tem sua Poupança falir você terá seu dinheiro de volta. E com os rendimentos! É importante ressaltar que o FGC cobre investimentos de até 250 mil reais.

O Tesouro Selic, por sua vez, não conta com essa garantia. Mas também é um investimento muito seguro. Isso porque é uma aplicação feita com o governo. Os títulos emitidos pelo Tesouro Federal são considerados os mais seguros do mercado.

publicidade

Tesouro Selic

Neste investimento a pessoa compra um título do governo. É como se você emprestasse dinheiro para o Brasil e recebesse o valor de volta com juros! 

No Tesouro Selic o rendimento tem o mesmo valor da Taxa Selic. Essa é a taxa de juros do Brasil. Hoje a Taxa Selic está no valor de 2,75% ao ano. Em outras palavras, neste investimento o seu dinheiro irá render 2,75% ao ano.

A rentabilidade do Tesouro Selic é diária. Como resultado o valor é atualizado todos os dias com o rendimento. Também é possível retirar o dinheiro sempre que for necessário

É importante você saber! O Tesouro Selic pede um investimento inicial de cerca de R$ 100,00. Além disso, esse investimento também tem cobrança do imposto de renda. A cobrança é feita só em cima dos rendimentos. Nos primeiros seis meses a taxa de imposto é de 22,5%. Com o passar do tempo, a taxa vai caindo.

Para fazer esse investimento basta ter uma conta em uma corretora. Mas primeiramente escolha com cuidado! Existem corretoras que cobram taxa de administração e outras que não tem essa cobrança. É possível procurar uma confiável que não terá esta taxa.

publicidade

Poupança

A poupança é um investimento conhecido por todos os brasileiros. Esta pode ser feita em um banco e é administrada pelo Governo Federal. 

O rendimento da Poupança também está ligado à Taxa Selic. Porém, há uma diferença. A Poupança rende apenas uma fração desta Taxa! Se a Taxa Selic for menor que 8,5%, como é o caso atualmente, a Poupança vai render 70% da Taxa Selic. Portanto, em comparação ao Tesouro Selic a Poupança rende menos todos os meses!

Outro fator importante! A Poupança não rende todos os dias. Uma data é escolhida por mês em que serão atualizados os investimentos. Essa data é o aniversário da poupança. Em conclusão, caso você retire seu dinheiro antes do aniversário esse virá sem nenhum rendimento.

A Poupança não pede investimento mínimo. Além disso, o Imposto de Renda não é cobrado sobre a aplicação. Esta pode ser feita por qualquer um através da sua conta no banco.

Conclusão

Por fim, qual das aplicações vale mais a pena? O Tesouro Selic rende mais do que a Poupança e por isso apresenta uma maior vantagem financeira. Mesmo com a cobrança de Imposto de Renda o Tesouro ainda é mais vantajoso.

publicidade

Esta em dúvida? É só conferir no site do Tesouro Direto. Aqui você encontra um simulador que compara os valores automaticamente para você. Acima de tudo, o Tesouro Selic tem rentabilidade diária, outra grande vantagem.

Veja Também:

Está “bombando” na Internet:

Clique e Deixe seu Comentário

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CDB

Selic pode vir acima do esperado. Saiba onde investir

Pedro Hostyn

Publicado

on




O Comitê de Política Monetária (COPOM) se reunirá hoje e amanhã para decidir a nova taxa Selic da economia brasileira. Com os recentes cenários de alta da inflação e o Risco-Brasil nas alturas, não é de se surpreender com um reajuste de mais de 1%.

Isso porque a inflação está subindo mais que o previsto, e uma taxa de juros que não segura a inflação da forma desejada tem que ser mais forte ainda.

As projeções

Após as notícias de hoje que o IPCA-15 foi o maior para outubro em 26 anos, o mercado começa a projetar aumentos mais fortes para a Selic amanhã. Com isso, grandes bancos já se planejam para aumentos maiores que 1%, conforme nota do Banco Central na última reunião.

Apesar disso, grande parte do mercado ainda espera uma Selic a 7,25%, conforme o processo de aumento gradual da Selic. Por outro lado, a quantidade de instituições que preveem um aumento acima do ponto percentual aumentou. Hoje, o Goldmann Sachs lançou nota afirmando que prevê um COPOM aumentando a Selic em 1,5 p.p. amanhã. Ontem, a nota do Itaú previu uma Selic a 9,25% no final do ano, o que precisaria de um aumento acima do 1% também. Alpem disso, o JP Morgan vê uma Selic a 11,25% no primeiro trimestre de 2022.

Com isso, a renda fixa se torna ainda mais atrativa e os fundos de crédito privado devem ganhar os olhares do mercado, principalmente de investidores nacionais. Do outro lado, a bolsa de valores deve sofrer no curto prazo e não seria uma surpresa se fechasse 2021 no negativo. Desde o início do ano, o Ibovespa tem uma perda acumulada de mais de 10%.

Selic

Imagem: Istock Photos

Onde investir com a Selic em alta?

Os títulos de renda fixa estão fazendo sucesso nas corretoras e a alta da Selic vem para dar mais um gás aos investidores mais conservadores. Por isso, saber onde investir para tirar mais proveito desse momento é quase uma necessidade.

Para isso, você pode investir em CDB ou LC que tenham rendimentos atrelados ao CDI. Com isso, você pega ativos que tenham mais de 100% do CDI de rentabilidade e fica com rendimentos superiores ao mercado.

Além disso, fundos de crédito privado tendem a render acima da taxa básica de juros, o que pode representar uma alternativa com menor liquidez que títulos de renda fixa. Dessa forma, você empresa, indiretamente, dinheiro para entidades privadas e tem um retorno maior também.

Para os investidores mais conservadores, o Tesouro Direto está oferecendo a Selic mais alguns percentuais de reajuste. Ontem, 25, estava em Selic + 0,12%. Além disso, vale lembrar que a inflação alta também dá títulos atrelados ao IPCA que podem ter bons rendimentos. E mais uma opção é o Tesouro Prefixado, que deve colocar taxas para cima mais uma vez nos próximos dias, o que ajudará daqui dois ou três anos.

Dessa forma, mesmo que a economia como um todo esteja andando de forma ruim, os investidores podem se beneficiar desse cenário controverso. Vale lembrar que ter uma estratégia para todos os cenários econômicos é uma excelente forma de proteger capital para o longo prazo.

Veja Também:



Está "bombando" na Internet:

Continue Lendo

Economia

IPCA-15: prévia da inflação é a maior em 26 anos

Pedro Hostyn

Publicado

on




O mercado abriu em queda após a divulgação do IPCA-15, a prévia da inflação, para o mês de outubro. Segundo os dados, a inflação ficou em 1,20% no mês, o maior para o mês desde 1995.

Dessa forma, a alta dos preços não começa a dar trégua, como previa o Banco Central e o Ministério da Economia.

Acima das expectativas

O IPCA-15 ficou acima das expectativas do mercado e isso atrapalhou o bom rendimento do Ibovespa na manhã de hoje. Isso porque a alta da inflação é um dos principais problemas econômicos do país e vai afetar outras áreas.

A alta de 1,20% é a maior para o mês em 26 anos e é a segunda maior alta mensal da história, somente através de fevereiro de 2016. As estimativas ficavam em torno de 0,98%.

Com isso, o mercado começa a se rearranjar nas previsões. Ontem, o Itaú lançou nota prevendo recessão na economia brasileira. Além disso, o Boletim Focus veio com a vigésima nona alta consecutiva do IPCA.

No acumulado de 12 meses, o IPCA ficou em 10,34%, o segundo mais alto do anualizado, que foi em fevereiro de 2016 (10,84%). Com isso, o aumento dos preços passa muito das metas do Banco Central. No início do ano, o BC estimou uma inflação na casa dos 3,75%, com teto em 5,25%. Com esse anualizado, o IPCA atinge praticamente o dobro do teto.

Apesar disso, vale lembrar que o IPCA-15 é calculado em menos cidades e com menos dias que o IPCA mensal. Contudo, as perspectivas costumam errar por pouco.

IPCA-15

Foto: Ekrulila – Pexels

O que acontecerá a partir do IPCA-15?

A partir dessa perspectiva de inflação, pioram os cenários projetados para a economia. Isso porque a inflação afeta diretamente outras variáveis da economia e com os atuais patamares, a situação fica ainda mais crítica.

Isso porque com o IPCA em alta, o poder de compra diminui e, com isso, o consumo também cai. Com o consumo caindo, há maior desemprego, o que aumenta a informalidade e pode afetar até a arrecadação do Governo Federal.

Por outro lado, um IPCA alto afeta diretamente a necessidade de aumentar a taxa de juros. Por isso, não seria absurdo pensar num reajuste acima de 1% na próxima reunião do COPOM. Além disso, o forte reajuste da Selic pode fazer com que a taxa básica de juros ultrapasse os 10% ao ano já em 2022. Soma-se à inflação o alto Risco-Brasil que resultou do furo do teto de gastos. Porém, um reajuste forte desses jogaria a atividade econômica para baixo, encarecendo o crédito e diminuindo ainda mais o PIB desse ano.

Na parte dos investimentos, o Tesouro IPCA toma ainda mais força e os Tesouros Prefixados podem começar a elevar suas taxas para ficarem atrativos. Porém isso não deve afastar investidores do país, dado que os riscos da política fiscal ainda permanecem. Por outro lado, a bolsa pode cair no curto prazo, barateando ainda mais os ativos listados por lá.

Veja Também:



Está "bombando" na Internet:

Continue Lendo

Investimentos

Letras de câmbio: Investimento seguro e de qualidade

Jéssica Queiroz

Publicado

on




Letras de câmbio podem ser uma ótima forma de diversificação de investimentos realizados em renda fixa 

Títulos de renda fixa, como as letras de câmbio, podem agregar muito dentro do portfólio de um investidor. Entender o que esse tipo de investimento significa pode ser uma chance de finalmente conseguir realizar investimentos seguros e com altas taxas de rentabilidade. Apesar de não serem tão conhecidos, as letras de câmbio garantem várias oportunidades. Veja abaixo 

Letras de Câmbio (LC): O que é? 

Letras de cambio

Imagem: Istock Photos

Apesar de não ser tão conhecido dentro do mercado de renda fixa, as letras de câmbio fazem parte dessa linha de investimento. 

Neste caso, as LC funcionam como papéis de dívidas emitidas por instituições com fins de venda. Essas vendas, geralmente, funcionam como uma forma de financiamento de atividade dentro dessas empresas.

Na prática, o investimento em LC funciona como um empréstimo feito por um investidor, para uma financeira. 

Essa financeira, por sua vez, vende o dinheiro do empréstimo dentro do mercado. Feito isso, o investidor é totalmente remunerado com as taxas de juros referente a essa venda de LC. 

As letras de câmbio são consideradas ótimas formas de investimento para quem possui empresas ou financeiras. No entanto, necessitam de aplicações com valores altos. 

Por essa razão, muitos investidores preferem investir em outros tipos de letras que, por sua vez, são mais conhecidas: 

  • LCI;
  • LCA;

Descubra como os investimentos em letras de câmbio funcionam

Imagem: Istock Photos

Existem pelo menos três formas diferentes para que as letras de câmbios sejam remuneradas totalmente. Essas três maneiras envolvem taxas de juros de: 

LC prefixada

Neste caso, a alíquota referente a LC será sempre a mesma. Não importando se está no fim ou no começo do investimento. 

LC pós-fixada

No caso da LCA pós-fixada, existe um outro índice fixado no ativo. Sendo assim, os juros serão rendidos de acordo com o outro indicador fixado. 

Este tipo de LC é considerado um dos tipos mais a serem indexados junto ao Certificado de depósito de câmbio (CDI). 

Híbrida

No caso das letras de câmbio híbridas, elas possuem um percentual de rendimento considerado fixo. 

Além disso, suas taxas também são fixas, garantindo que os pagamentos referentes aos juros possuam dispositivos de segurança. 

Existem vantagens em investir em LC? 

Letras de câmbio

Imagem: Istock Photos

Assim como qualquer outro investimento, as letras de câmbios possuem suas taxas de riscos. 

São consideradas mais complicadas, no entanto, as vantagens ainda são as melhores possíveis. O investir em LC o investidor conta com:

  • Investimentos com riscos considerados baixos;
  • Proteção do FGC;
  • Rentabilidade variada;
  • Indexado ao IPCA, CDI e muitos outros indicadores de atratividade;
  • Maior rendimento na caderneta de poupança;
  • Liquidez diária em um único investimento;

É fácil investir em ativos de letra de câmbio? 

Imagem: Istock Photos

Investir neste tipo de renda fixa é um dos passos mais fáceis existentes no mercado de investimento. 

Será necessário apenas abrir uma conta em instituições autorizadas, escolher a letra de câmbio que deseja investir e efetuar a compra. 

Para investidores que estão destinados a começar a investir, as LC podem ser os tipos de ativos mais seguros do mercado. 

Veja Também:



Está "bombando" na Internet:

Continue Lendo

Tesouro Direto

Tesouro IPCA está valendo a pena agora?

Pedro Hostyn

Publicado

on




Com o risco de o teto de gastos ser rompido e causar uma pressão inflacionária ainda maior, muitos investidores começam a se perguntar se o Tesouro Direto IPCA está valendo a pena. Isso porque o temor de inflação nos dois dígitos em 2022 já começa a causar uma leve dor de cabeça nos economistas.

Com isso, é importante pensar bem os próximos passos, na medida em que os seus investimentos podem ser impulsionados pela alta da inflação.

Tesouro IPCA ainda?

A inflação já bate os 10% no anualizado e muitos investidores parecem concordar que é a hora de o IPCA começar a baixar. Acontece que o Brasil parece gostar bastante da companhia das 4 letras.

Com os temores fiscais, os investidores ainda voltam os olhares ao Tesouro Direto para buscar rentabilidades maiores. Por isso, o Tesouro IPCA está em alta nos olhares de quem quer fazer dinheiro. É aquela velha história: “enquanto uns choram, outros vendem o lenço”. E chegou a hora de vender o lenço!

Isso porque com o IPCA alto, a remuneração dos títulos também é alta. Somado ao temor das contas públicas, o governo reajustou as taxas para cima ontem. Ou seja, além do IPCA, o prêmio extra ficou mais atrativo.

Com isso, se você entrar no site do Tesouro Direto agora, verá um título chamado Tesouro IPCA+ 2026. Do lado, você se deparará com números excelentes: IPCA + 5,31%. Ou seja, ao investir nesse título, você ganha, até 2026, 5,31% acima da inflação.

Tesouro IPCA Tesouro Direto

Foto: Pixabay

Os cenários possíveis

Diante disso, uma reflexão: temos três cenários para a inflação e, claro, para o Tesouro IPCA. O primeiro é de queda da inflação, outro é de alta e um terceiro de ficar como está.

No primeiro caso, uma queda da inflação deixaria, de fato, os seus retornos mais baixos. Mas aí entra uma das melhores (e piores) coisas do Tesouro Direto: a marcação a mercado. Com ela, se o IPCA baixar, o prêmio também baixa. Mas se você tiver os 5,31% extras, seu título passa a valer mais. Dessa forma, você pode comprar pelo valor mínimo (R$57,51)  e vender por valores maiores que isso, daqui 1, 2 ou 3 anos, quem sabe.

No segundo caso, de alta da inflação, a marcação a mercado joga contra você: seu título ficará mais barato. Apesar disso, se a inflação sobe, no seu vencimento você ganha mais. E ainda ganha os 5% acima. Ou seja, você deixa de ser recompensado no curto prazo para ser recompensado em 2026.

No terceiro cenário, de ficar na casa dos 8% (usando a prévia do Focus), você tem uma marcação a mercado lateral, mas ainda sim bons rendimentos, na casa dos 13% ao ano. Dificilmente o Ibovespa vai superar os rendimentos dos três cenários. Mas ainda sim fica a dúvida: vale especular com Tesouro Direto?

Isso porque o título não foi feito para ser especulativo. Com ele, você compra uma dívida e recebe os juros. Apesar disso, os prazos são grandes demais e o risco também. Dessa forma, vale você estudar com carinho esse investimento, de forma a buscar a melhor rentabilidade possível.

Veja Também:



Está "bombando" na Internet:

Continue Lendo

Investimentos

FGC: Fundo que realmente garante investimento

Jéssica Queiroz

Publicado

on




O FGC é considerado um dos muitos fundos que realmente garante investimento em determinados tipos de aplicações 

Hoje em dia, dentro de um mercado tão abrangente como o mercado de investimento, para que um investimento seja garantido é preciso estudar e pesquisar. Isso porque, nem todos os tipos de investimentos são certos ou resultam em algum tipo de rentabilidade. E por isso que fundos como a FGC são desenvolvidos, para garantir que investimentos possam ter rentabilidade. 

FGC em seus principais conceitos 

FGC

Imagem: Istock Photos

Para quem sempre busca maneiras de diversificar a carteira de investimento sem abrir mão da segurança, a FGC é considerada uma grande oportunidade. 

Dentro do mercado de investimento, a FGC (Fundo Garantidor de Crédito), garante preservar todo o patrimônio de um investidor em caso de falência da instituição financeira investida. 

Apesar de ser considerada uma boa opção, ela somente protege ativos de renda fixa, seguindo regras que limitam quase totalmente sua atuação. 

Essa instituição privada tem como missão principal proteger investidores de sistemas de investimentos de alto risco. 

Entenda de que maneira o FGC funciona

Imagem: Istock Photos

Criada em 1995, durante a preocupação crescente da perda de fundos e investimento, a FGC representa estabilidade financeira para os investidores. 

Muitos investidores o consideram como um Pagador de Dívidas, no entanto, não é bem assim que a FGC realmente funciona. 

Este é considerado um fundo privado sem nenhum tipo de fim lucrativo. Sendo assim, seus recursos são totalmente formados por depósitos de instituições financeiras que estão associados ao FGC. Instituições como:

  • Bancos múltiplos;
  • Sociedade de crédito imobiliário;
  • Companhias Hipotecárias;
  • Sociedades de crédito;
  • Financeiras;
  • Investidoras;
  • Caixa Econômica Federal;
  • Bancos Comerciais;
  • Associações de empréstimo e poupança;

Todas essas instituições mantêm a FGC funcionando. Para que dessa forma, ela possa oferecer seus serviços aos investidores que desejam garantir rentabilidade em aplicações de renda fixa. 

Valor garantido pelo fundo de investimento 

FGC

Imagem: Istock Photos

Existe um valor total que é garantido pelo fundo de investimento FGC. Geralmente, esse valor é limitado a 250 mil por CPF ou CNPJ. 

Cada aglomeração financeira possui um limite aprovado de um milhão. Esse valor pode ser renovado a cada quatro anos dentro da FGC. 

Sendo assim, caso o investidor possua um valor referente a 150 milhões investidores em qualquer corretora, ele apenas terá direito a 250 mil do FGC caso a empresa venha a falir.

Veja os investimentos que são protegidos pelo FGC

Imagem: Istock Photos

Apesar de ser um sistema de proteção de investimento bem elaborado e bastante usado entre investidores. O FGC não protege todos os tipos de investimento. 

Muito pelo contrário, existe uma pequena quantidade de investimentos que são protegidos por esse fundo. 

  • Depósito de poupança;
  • Certificado de Depósito Bancário (CDB);
  • Recibos de Depósito Bancários (CDBs);
  • Letras Hipotecárias (LH);
  • Letras de Câmbio (LC);
  • LCI;
  • LCA;

Além disso, a FGC pode proteger depósitos que são mantidos em contas que não são movimentadas.

Em todas essas situações e investimentos protegidos, é importante saber que o valor máximo de reembolso garantido ainda é o mesmo. 

Por mais que cada investimento possua uma rentabilidade que pode ser alta ou baixa, os valores nunca irão mudar. 

 

Veja Também:



Está "bombando" na Internet:

Continue Lendo

Finanças Pessoais

É hora do Tesouro Prefixado? Entenda a dúvida

Pedro Hostyn

Publicado

on




Nos momentos de alta da Selic e com a inflação batendo recordes, os papéis do Tesouro Prefixado, via Tesouro Direto, ficaram esquecidos por alguns analistas.

Apesar disso, as taxas atuais podem mostrar bons retornos para os investidores que acreditam em alguns parâmetros.

O que é o Tesouro Prefixado?

Tesouro Prefixado é aquele que acerta a taxa na hora da contratação pelo investidor. Contudo, essa taxa é marcada a mercado todos os dias e, por isso, deve ser comprado com cautela.

Dessa forma, com a alta da Selic e da inflação, os investidores naturalmente correram para os tesouros Selic e IPCA+, o que fez o preço desses títulos aumentarem. Por outro lado, esqueceram do Prefixado, que teve o preço em queda, logo, os retornos em alta.

Segundo o site do próprio Tesouro Direto, a atual taxa de retorno do Tesouro Prefixado 2024 está em 10,15% (fechamento de sexta, 01/10). Com uma inflação atingindo valores próximos a esses patamares, pode ser uma excelente ideia entrar em ativos IPCA e esquecer o Prefixado.

Quem é a favor do Prefixado?

Os gestores e investidores a favor do Tesouro Prefixado entendem que a inflação não deve bater o patamar dos 10%. Isso foi, inclusive, dito por Paulo Guedes, ministro da Economia.

Tomando as expectativas do mercado, via Boletim Focus, a inflação deve fechar o ano a 8,45%. Se o Prefixado está em 10,15%, começa a valer a pena, para esses profissionais, entrar com posições no Tesouro Prefixado.

Ainda, se pegarmos o Prefixado 2026, a taxa de retorno está maior, a 10,46%. Por isso, um retorno ainda maior que a inflação prevista para os próximos três anos: 8,45% em 2021, 4,12% para 2022 e 3,25% para 2023.

Porém, vale lembrar que esse retorno só é conseguido caso mantenha o ativo até o final de sua validade. Caso a venda ocorra antes, pode ser que os rendimentos sejam diferentes, a depender do valor marcado no mercado.

Tesouro Prefixado

Taxas de retorno do Tesouro Prefixado no site do Tesouro Direto – reprodução

Quem é contra?

Quem acredita que o Tesouro Prefixado não é uma boa ideia prevê uma inflação acima dos 10% e uma Selic mais ou menos nessa casa.

Por isso, investir em papéis atrelados à inflação e à Selic podem dar mais rendimentos. Além disso, vale ressaltar que existem títulos de renda fixa que pagam a Selic ou o IPCA mais alguns juros extras, o que pode bater fortemente o Tesouro Prefixado.

Dessa forma, entrar comprado em CDB que igualmente vencem em 2024 tenderia a valer mais a pena que entrar no Tesouro Prefixado. O lado ruim disso para o investidor comum é que alguns títulos de renda fixa exigem valor mínimos na casa dos R$1.000, ante R$100,00, aproximadamente, no Tesouro Prefixado.

Apesar disso, o mercado está cheio de oportunidades para fazer rendimentos consistentes na renda fixa. Taxas acima de 10% podem ser vistas com frequência, o que é excelente, principalmente com o menor risco.

Além disso, com a bolsa de valores descontada, pode ser uma excelente oportunidade para o longo prazo, ou seja, após 2024, quando o título vence. Dessa forma, você pode ter rendimentos bons hoje e no futuro. A sua aposentadoria agradece!

Bons investimentos.

Veja Também:



Está "bombando" na Internet:

Continue Lendo

Title

Ibovepa Ibovepa
Investimentos1 hora atrás

Ibovespa: à espera da Selic, índice fica de lado

O Ibovespa ficou de lado hoje, à espera da definição das taxas e juros na economia brasileira. A nova Selic,...

Ciro Gomes Petrobrás Bolsonaro Ciro Gomes Petrobrás Bolsonaro
Política3 horas atrás

Ciro Gomes critica a política de privatização da Petrobrás

Em mais uma de suas fortes declarações, o presidenciável Ciro Gomes se manifestou em sua rede social, se colocando contra...

Selic dólar banco central Selic dólar banco central
Economia6 horas atrás

Selic e dólar: o que podemos esperar daqui em diante?

O Banco Central, através do COPOM, falará ao mercado qual a nova taxa básica de juros do Brasil, a Selic....

exportação de carne exportação de carne
Economia7 horas atrás

Exportação de carne: por que a China barrou o Brasil?

Desde o dia 4 de setembro, a China barrou a entrada de carnes provenientes do Brasil. Com isso, a exportação...

10 fundos de investimentos que mais renderam no C6 Bank 10 fundos de investimentos que mais renderam no C6 Bank
Investimentos8 horas atrás

10 fundos de investimentos que mais renderam no C6 Bank

Diante das incertezas no cenário político-econômico e da alta da taxa básica de juros (a Selic), muitos investidores estão aumentando...

EURP11 EURP11
Renda Variável23 horas atrás

EURP11: investindo na Europa pela B3

Se você pensou que não podia investir no mercado europeu, está enganado, pois o EURP11 serve justamente para isso. Da...

Ibovespa Ibovespa
Investimentos1 dia atrás

Ibovespa fecha em queda com dados da inflação

O Ibovespa fechou mais uma vez em queda. Hoje, os motivos do mercado para as fortes vendas ficaram a sob...

CPI da Covid Bolsonaro CPI da Covid Bolsonaro
Política1 dia atrás

CPI da Covid mira Bolsonaro e outros políticos

A CPI da Covid votou, nesta terça-feira (26), o relatório final da comissão e solicitou o afastamento do presidente Jair...

99Pay lança cashback com pagamento em bitcoin 99Pay lança cashback com pagamento em bitcoin
Moedas e Câmbio1 dia atrás

99Pay lança cashback com pagamento em bitcoin

A 99Pay, carteira digital do app de transporte 99, anunciou que vai incluir em sua plataforma um sistema que permite...

Bolsa estressada Bolsa estressada
Economia1 dia atrás

Bolsa estressada: Saiba o que pode estar causando

A Bolsa estressada é apenas um termo usada quando a Bolsa de valores se mantém em constante queda  A Bolsa...

Mais lidos