Connect with us

Política

Doria será o representante do PSDB em 2022

Pedro Hostyn

Publicado

on

O PSDB anunciou hoje que João Doria será seu candidato à presidência da república nas eleições de 2022. O atual governador de São Paulo desbancou o atual governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. Além disso, Doria venceu de Arthur Virgílio, ex-prefeito de Manaus. A eleição, que havia sido suspensa por problemas no aplicativo, foi finalizada com 53,99% dos votos favoráveis ao candidato paulista. O anúncio foi feito por Bruno Araújo, presidente da sigla, em Brasília.

Contudo, a aprovação do presidenciável vem em meio a elogios de Lula a Geral Alckmin, também do PSDB, que, segundo os bastidores políticos, provavelmente será vice de Lula em 2022.

Quem é João Doria

Doria é o atual governador de São Paulo e, ao contrário de seus concorrentes, não tem uma extensa vida política. Isso porque ele é fundador da Lide, grupo que reúne, em encontros, autoridades e empresários. Com isso, Doria começou a sua carreira política ao derrotar Fernando Haddad, do PT, nas eleições para a prefeitura de São Paulo em 2016.

Três meses após vencer a prefeitura, Doria decidiu concorrer ao governo de São Paulo. Ainda sem projeção suficiente, Doria venceu no segundo turno, com uma votação apertada. Ele conquistou 51,75% dos votos na ocasião.

publicidade

Por isso, Doria nunca exerceu nenhum cargo Legislativo e foi um dos primeiros líderes estaduais a romper com a atual gestão nacional de Jair Bolsonaro. Dessa forma, ele ganhou popularidade e impulsão nacional ao negociar as vacinas do Intituto Butantan. São Paulo ainda foi o primeiro estado a começar a vacinação e, hoje, é a cidade que mais vacinou no mundo, com 100% da população aduta totalmente imunizada.

PSDB Doria 2022

Foto: Alexandro Martello/G1

A missão do candidato

Doria chega com a missão de reerguer o PSDB após um quarto lugar nas eleições de 2022, quando o candidato foi Geraldo Alckmin. Com isso, o presidenciável precisa, agora, formar alianças políticas fora do estado e buscar apoio em bases onde não é muito popular. Dessa forma, ele deve concorrer tanto com Lula quanto Bolsonaro pelas alianças do chamado centrão.

O atual governador de São Paulo fará parte da chamada “terceira via“, que busca bater de frente com a polarização entre Lula e Bolsonaro. Dessa forma, a agenda econômica do candidato deve abrange benefícios sociais, mas uma pauta mais liberal na economia, como já tem feito no estado. Além disso, Doria também é conhecido pelas amplas parcerias público-privadas em serviços como praças, hospitais e também na educação.

Apesar disso, analistas afirmam que a rejeição ao candidato é alta, principalmente entre os apoiadores tanto de Lula quanto de Bolsonaro. Com isso, segundo eles, o governador precisará atuar de forma mais forte na construção de sua imagem, de modo a tentar angariar os votos tanto de Lula e Bolsonaro, quanto de Sérgio Moro e Ciro Gomes, duas das principais figuras da terceira via.

Nas prévias do PSDB, cerca de 30 mil filiados votaram. A votação ocorreu durante uma semana, após problemas técnicos no aplicativo do partido. Apesar disso, segundo a cúpula do PSDB, a falha não afetou a votação, que teve seu fim hoje.

 

publicidade

Veja Também:

Sucesso na Internet:

Estudante de Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Experiência com o mercado de investimentos e análises políticas fazem parte da rotina. Atualmente, atua como assessor de atendimento e escritor do presente jornal.

Economia

Arthur Lira critica governadores sobre o ICMS

Pedro Hostyn

Publicado

on

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, criticou governadores pela medida que dá fim ao congelamento do ICMS para os combustíveis a partir de 31 de janeiro. Segundo o parlamentar, as cobranças devem ser enviadas ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), dado que o projeto ficou parado na Casa após a aprovação na Câmara.

Além disso, Lira disse que a medida é estritamente eleitoral e que os políticos estão mirando as eleições de outubro. Ele ainda afirmou que a ideia da Câmara era aliviar o aumento dos preços, mas não comentou sobre o sucesso, ou não, da medida. Vale lembrar que os secretários da Fazenda afirmam que a medida não teve efeitos reais na economia.

O caso do ICMS

Buscando aliviar a alta dos preços dos combustíveis de julho em diante, a Câmara dos Deputados aprovou, em outubro, o congelamento das alíquotas do ICMS para os combustíveis. Contudo, depois de 18 meses de alta, a gasolina até chegou a cair em dezembro, mas fechou com altas de mais de 50% em 2021. O resultado é que o congelamento do impostos acabará em 31 de janeiro.

Apesar disso, Lira não ficou satisfeito com a medida. Ele defendeu o papel da Câmara na intenção de segurar os preços. “A Câmara tratou do projeto de lei que mitigava os efeitos dos aumentos dos combustíveis. Enviado para o Senado, virou patinho feio e Geni da turma do mercado”, disse Lira. Além disso, Lira afirmou que os governadores resistiram em diminuir os impostos no ano passado, mesmo com o projeto aprovado. Ele relembrou que os argumentos foram sobre a diminuição de arrecadação estadual.

publicidade

Vale lembrar que o presidente da Câmara é apoiador do presidente Jair Bolsonaro, que culpou, diversas vezes, o ICMS pela alta da gasolina. Apesar disso, economistas afirmaram que a alta do dólar e a cotação do Brent no mercado internacional sempre foram os fatores decisivos. Em nota, o governador do Piauí afirmou que o congelamento do ICMS serviu apenas para aumentar os lucros da Petrobrás.

Arthur Lira

Foto: Getty Images

Porque a fala de Arthur Lira é importante?

A fala de Arthur Lira é importante porque marca mais um episódio do governo contra a oposição no cenário econômico adverso do país. Enquanto Bolsonaro criticava o ICMS como culpado da alta dos combustíveis, governadores afirmaram que as alíquotas não foram mexidas nos últimos anos.

Agora, o presidente da Câmara parece defender que os governadores tomaram a decisão apenas para fins eleitorais. Contudo, ele não mencionou nenhum sucesso da medida, o que também levanta questionamentos da oposição. A alta dos combustíveis é um dos principais fatores que levou a inflação a patamares altos, fechando em 10,06% no ano passado.

Além disso, a pauta incomoda o presidente, que agora precisará retomar a sua popularidade. Isso porque a alta dos preços diminui fortemente o poder de compra da população. Conseguindo consumir menos, o candidato passa a ter menos votos nas eleições. Para isso, Bolsonaro e sua equipe planejaram diversos benefícios sociais, como o Auxílio Brasil. Contudo, pesquisas afirmam que isso não teve efeitos práticos.

Veja Também:

Sucesso na Internet:

publicidade
Continue Lendo

Política

Grupo da Coreia do Norte é notado por ataques às criptos

Pedro Hostyn

Publicado

on

O grupo Lazarus ganhou notoriedade por mais um ataque cibernético a um sistema de criptomoedas. Mesmo que estejam na Coreia do Norte, o país mais fechado do mundo, o grupo, assim como o governo, estão afrontando as principais bases do ocidente. Agora, o alvo são as moedas digitais.

Com esses ataques, o grupo Lazarus já roubou cerca de US$400 milhões em ativos digitais, segundo a consultoria Chainalysis. Apesar dos diferentes ataques, o grupo tem táticas sempre semelhantes, assim como tem os alvos definidos com meses de antecedência.

Porque é importante a existência desse grupo?

Os estragos do grupo Lazarus causa grandes transtornos às corretoras e exchanges de criptomoedas. Porém, a geopolítica internacional está sempre de olho nos ataques, pois analistas acreditam que o governo financia esses grupos, de forma proposital.

Isso porque na Coreia do Norte, o governo não libera a internet para toda a população e, além disso, os equipamentos disponibilizados não são de últimas gerações. Isso se deve principalmente ao fechamento da economia, que se relaciona quase que totalmente com Rússia e China. Dessa forma, o país se notabilizar por ataques cibernéticos levanta os questionamentos das autoridades dos outros países.

publicidade

Apesar disso, o país enfrentar abertamente os Estados Unidos não é novidade. Durante o ano passado, a Coreia do Norte realizou uma série de testes de mísseis nucleares, mesmo com os americanos ameaçando maiores sanções. Contudo, o baixo leque comercial dos norte-coreanos não é afetado por essas barreiras comerciais.

Por isso, além da China, que também barrou as criptomoedas, agora a nova economia descentralizada tem um novo inimigo: a Coreia do Norte. Contudo, é simples saber os motivos que levam o país asiático, o mais fechado do mundo, a ser contra as moedas digitais.

Foto: Shutterstock

Porque a Coreia do Norte é contra as moedas digitais?

Através do grupo Lazarus, a Coreia do Norte já conseguiu roubas grandes fortunas das economias mais abertas. Os ataques, segundo analistas, é feito através de vírus e malwares. Os ataques resultaram em sanções econômica pelos Estados Unidos. O grupo já hackeou os sistemas da Sony Pictures e da WannaCry.

Isso porque a economia fechada impede que novos ativos entrem nela. Com isso, caso algum norte-coreano tenha acesso às criptomoedas, ele pode negociar, sem o conhecimento do governo, com o resto do mundo. Dessa forma, o governo decide por barrar a entrada das moedas digitais na economia. É essa a desculpa da China, da Coreia do Norte, e também dos Estados Unidos.

Apesar disso, analistas afirmam que os ataques da Coreia do Norte parece culpar a principal economia do mundo pelo surgimento dessas criptomoedas. Contudo, o presidente, Kim Jong-un, não falou abertamente sobre esses ativos.

publicidade

Veja Também:

Sucesso na Internet:

Continue Lendo

Política

Ipespe: Lula tem 44% dos votos contra 24% de Bolsonaro

Pedro Hostyn

Publicado

on

Se as eleições fossem hoje, o ex-presidente Lula teria uma grande folga em relação ao segundo colocar, Bolsonaro, para uma disputa de segundo turno. Contudo, como a corrida eleitoral ainda não começou oficialmente, Lula ainda tem espaço para tentar a vitória ainda no primeiro turno. Isso é o que diz a pesquisa do Ipespe, que concluiu que Lula tem 44% dos votos, contra 24% de Bolsonaro. Moro e Ciro Gomes estão empatados em terceiro lugar na margem de erro.

A pesquisa foi financiada pela XP Investimentos, no custo de R$42 mil. O Ipespe coletou os dados entre 10 e 12 de janeiro, com mil pessoas entrevistadas nas cinco partes do país. Segundo o instituto, a margem de erro é de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Mais uma pesquisa com Lula na frente

Até agora, nenhuma pesquisa devidamente cadastrada no sistema do Tribunal Superior Eleitoral mostrou o presidente Jair Bolsonaro na frente ou empatado com Lula. Do contrário, as pesquisas mostram, desde sempre, uma ampla vantagem do petista em relação ao atual presidente. No último estudo, o Ipespe deflagrou uma vantagem de 20 pontos percentuais, a favor de Lula.

Dentre as pessoas que responderam, 43% moram no Sudeste, 27% no nordeste, 15% no sul, 7% no Centro-Oeste e 8% no Norte. Além disso, o instituto confirmou os dados do Poder 360, que também fez uma pesquisa eleitoral. Segundo o jornal, Lula teria 40% dos votos, contra 30% de Bolsonaro. Com isso, o atual cenário é de que Lula está ganhando votos de Bolsonaro, mas o atual presidente também está perdendo para a chamada terceira via, lideradas por Sérgio Moro e Ciro Gomes.

publicidade

Por outro lado, o Ipespe levou em consideração outros candidatos. Além de Lula (44%) e Bolsonaro (24%), há votos para Sérgio Moro (9%), Ciro Gomes (7%), João Dória (2%), Simone Tebet (1%), Rodrigo Pacheco (1%) e Felipe D’Ávila (1%). Os brancos e nulos somaram 6% e as pessoas que não sabiam ou não responderam ficou na casa dos 7%.

Ipespe

Ipespe mostra a atual rejeição ao governo Bolsonaro. Foto: Ipespe | Divulgação

A avaliação do atual governo, segundo o Ipespe

Além de estipular que, no atual cenário, Lula seria o presidente eleito, a pesquisa ainda perguntou sobre a avaliação dos candidatos em relação ao atual governo de Bolsonaro. As respostas mostram que o percentual de reprovação atingiu 54% o que, na margem, pode ser um dos maiores índices de reprovação do atual presidente.

Segundo o Ipespe, A rejeição a Bolsonaro se manteve estável, ficando nos 54%, assim como nas três últimas pesquisas. Vale ressaltar que desde junho de 2021, o presidente contam com 50% ou mais de rejeição. A parcela que acha o governo bom ou ótimo somou 24%, mesmo percentual de votos do candidato do PP. Para 21% da amostra, o governo é regular. Contudo, em uma pesquisa manipulada, ou seja, com duas respostas possíveis, a rejeição foi para 64%, enquanto a aprovação subiu para 30%. Nessa parte 7% das pessoas não responderam.

Com isso, os dados do Ipespe enumeram que Bolsonaro tem uma base fiel e menor chances de conquistas o voto dos indecisos, no atual cenário. Por outro lado, Lula parece ser o escape dos indecisos.

Veja Também:

Sucesso na Internet:

publicidade
Continue Lendo

Política

Suprema Corte veta decisão de Biden sobre vacinas

Pedro Hostyn

Publicado

on

A Suprema Corte dos Estados Unidos, semelhando ao STF brasileiro, desferiu um duro golpe para o presidente Joe Biden nessa sexta-feira, 14. Por lá, o judiciário decidiu por proibir a obrigatoriedade de vacina para trabalhadores de grandes empresas. Contudo, a Corte entendeu que isso não vale para as pessoas que recebem ajuda do governo. Em nota, o presidente americano lamentou a decisão, mas comemorou a ideia de manter a obrigação para os beneficiários.

Anteriormente, o presidente tornou obrigatória a imunização de trabalhadores nas grandes empresas. A medida estava em vigor e valia apenas para as empresas com 100 ou mais funcionários. Agora, o governo e as empresas não podem mais obrigar o trabalhador a tomar a vacina.

A importância da vacinação

As autoridades americanas alertam constantemente sobre a importância da imunização. Além de diminuir os sintomas em caso de reinfecção, dados mostram que as internações têm a maior parte dos pacientes não vacinados. Dessa forma, tomar o imunizante pode prevenir hospitalizações e salvar vidas, afirma o FDA, autoridade sanitária dos Estados Unidos.

Contudo, a Suprema Corte entende que isso fere a liberdade individual e, com isso, retirou a obrigação de vacina para os trabalhadores. Foi o presidente Joe Biden que propôs a medida, que estava em vigor até ontem. Em nota, o presidente se disse decepcionado com a Corte. “Estou decepcionado de que a Suprema Corte tenha decidido bloquear requisitos de senso comum (…) para os funcionários de grandes empresas, que se baseavam claramente tanto na ciência quanto na lei”, disse o democrata. Por outro lado, o presidente ficou satisfeito com a medida de manter a vacina impositiva para pessoas que recebem ajuda do governo. Segundo o presidente, a proposta salvará vidas. Ele ainda diz que isso impactará a vida de 10 milhões de pessoas.

publicidade
Suprema Corte

Foto: AFP

A polêmica dos dados e a Suprema Corte

Os Estados Unidos vem aumentando fortemente sua campanha vacinal. Isso porque o governo precisou de quase quatro meses de campanha massiva para passar dos 50% para os 60% de vacinados no país. Por lá, analistas afirmam que a polarização política atrapalhou o processo de imunização, mesmo com o ex-presidente Donald Trump se voltando a favor das vacinas.

Atualmente, os Estados Unidos têm 75% da população com pelo menos uma dose, um pouco menos que o Brasil, que tem 78,5%, segundo o Our World In Data. Nessa semana, o perfil oficial da Casa Branca lançou uma postagem com gráficos que mostram a diferença entre casos de covid e hospitalização pela doença com vacinados e não vacinados. Segundo a imagem, os não vacinados têm maiores chances de contrair a doença e precisar de serviços de UTI.

Apesar disso, a Suprema Corte agiu após ouvir argumentos sobre mandatos temporários que visavam aumentar as taxas de vacinação no país. A ideia pretendia atingir 84 milhões de pessoas, cerca de 25% da população americana. Contudo, a decisão foi contrária ao que queria o presidente americano. Dessa forma, a partir de agora, trabalhadores não precisam mais tomar a vacina, nem mostrar resultados negativos para a covid semanalmente.

Veja Também:

Sucesso na Internet:

Continue Lendo

Economia

Eduardo Paes diz que Rio investirá em criptomoedas

Pedro Hostyn

Publicado

on

Em entrevista coletiva à Rio Innovation Week, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, disse que pretende investir parte do Tesouro do município em criptomoedas. Segundo o prefeito, a ideia faz parte de uma medida de atração de empresas, que busca transformar a cidade em um polo tecnológico. Além disso, ele afirmou que fará isso através do programa “Cripto Rio”.

Segundo o próprio prefeito, o intuito é aplicar 1% do caixa do município nas moedas digitais. Por outro lado, ele afirmou que a prefeitura pretende dar descontos em impostos pagos com bitcoin, a criptomoeda mais famosa do mundo. Ele ainda disse que pretende melhorar a cara da cidade para uma nova economia mundial.

A fala curiosa de Eduardo Paes

Durante a entrevista em um congresso de atração de empresas de tecnologia, o prefeito afirmou que pretende investir 1% do Tesouro do Rio de Janeiro em criptomoedas. Segundo o prefeito, a ideia é atrair novas empresas e tornar a cidade uma referência em tecnologia no mundo. Além da compra de criptos, o prefeito pretende fundar um projeto chamado de Portomara Valley.

Isso porque no Portomara Valley, o Rio de Janeiro daria isenções fiscais para empresas ligadas à tecnologia. A ideia é ter a mesma política que a Zona Franca de Manaus, porém voltado ao segmento das techs. Apesar disso, o prefeito não deu restrições ao projeto. Isso porque, segundo fontes, Eduardo Paes pretende dar desconto em impostos, como IPTU e IPVA, para os cidadão que pagarem com criptomoedas. A ideia, para os aliados do governo, é mostrar uma cidade mais voltada à nova economia mundial. Vale lembrar que atualmente apenas El Salvador reconhece o bitcoin como moeda oficial. Além disso, no Brasil, não há legislações sobre o uso de criptomoedas como forma de pagamento. “Vamos estudar o arcabouço jurídico para que a gente possa fazer isso”, afirmou ao O Globo o secretário da Fazenda, Pedro Paulo.

publicidade
Eduardo Paes Bitcoin

Foto: Divulgação

Não é a primeira vez

Apesar de o Rio de Janeiro ser a maior cidade brasileira disposta a essa nova forma de pagamentos, a cidade de Maricá já havia informado sua intenção de ser um local mais tech. Isso porque a cidade, que fica próximo à Niterói, já deu detalhes sobre como funcionará os descontos para quem pagar com criptoativos. Dessa forma, a prefeitura já tem a modalidade de pagamento para os cidadãos mais modernos.

Segundo a prefeitura de Maricá, o imposto será de apenas 2% para quem fizer o pagamento através de plataformas digitais de operação. O pagamento pode ser feito em ativos ambientais, através de fintechsstartups prestadores desses tipos de serviços.

Com essa novidade, os prefeitos de ambas as cidades levantam uma discussão ainda adormecida no Brasil. Isso porque, cada vez mais, as grandes empresas aceitarão o pagamento em criptomoedas. Com isso, é necessário que haja legislações sobre o tema, bem como uma organização do próprio governo, com a iniciativa de aceitar, ou não, essas moedas. Segundo analistas, aceitar bitcoin como pagamento colocaria o Brasil em foco no mundo, dado que Estados Unidos e China não parecem dispostas a isso.

Veja Também:

Sucesso na Internet:

Continue Lendo

Política

Boris Johnson pode perder o cargo no Reino Unido

Pedro Hostyn

Publicado

on

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, passa por mais uma crise em seu governo. Depois de criticar a covid no início da pandemia (e voltar atrás após ser internado com a doença), agora a imprensa local acusa o premiê de participar de um encontro em maio de 2020. Segundo a mídia do Reino Unido, a reunião tinha aproximadamente 100 pessoas, todas servidoras públicas ligadas ao governo.

Na época, o premiê teria se reunido nos jardins de Downing  Street com funcionários de seu governo para uma comemoração. Contudo, Boris Johnson afirma que acreditava ser uma reunião de trabalho. Por causa disso, 56% da população deseja a renúncia do premiê. Ele pediu desculpas publicamente.

O caso de Boris Johnson com a covid

O primeiro-ministro do Reino Unido não teve um posicionamento popular no início da pandemia. Afirmando que se tratava de uma doença respiratória normal, Boris Johnson demorou em tomar medidas de restrição, o que aumentou o número de casos no país. Contudo, ele admite ter mudado a sua visão sobre a pandemia ao contrair a doença e precisar ser internado na UTI.

Desde então, o premiê é símbolo de medidas de combate à doença na Europa e no mundo, sendo o país britânico um pioneiro na vacinação da população. Além disso, o Reino Unido atingiu um dos maiores percentuais do mundo na imunização da população contra o vírus. Além disso, Boris Johnson foi destaque em uma reunião com Bolsonaro, onde incentivou o presidente brasileiro a se vacinar. Contudo, essa troca de discurso não agradou uma parcela significativa da população.

publicidade

Agora, com as denúncias de que teria ido a uma festa em meio ao lockdown no país, ele vê seu cargo ameaçado. Isso porque, depois das denúncias, o presidente foi flagrado em uma festa com aproximadamente 100 pessoas. Apesar disso, opositores afirmam que não se trata de um evento único.

Boris Johson

Foto: Reuters

“Partygate”

O evento de Boris Johnson, que ficou conhecido como “Partygate”, uma referência ao movimento “Watergate”, que derrubou o presidente americano Richard Nixon em 1974, enfureceu grande parte da população. Por lá, opositores querem a saída do premiê. Além da festa, a mídia britânica teria descoberto um e-mail enviado a mais de 100 pessoas convidando para o evento, o que derruba as desculpas do primeiro-ministro.

“Por favor, junte-se a nós a partir das 18h e traga sua própria bebida”, dizia o e-mail enviado por Martin Reynolds, o principal assessor de Boris. Na época, o governo britânico havia determinado que as visitar eram proibidas e que as aglomerações poderiam ter, no máximo, duas pessoas ao ar livre e com distanciamento.

Com as denúncias, o premiê perdeu o apoio de seu próprio partido. Dessa forma, analistas acreditam que o governante dificilmente sairá dessa situação, o que levaria a um processo de desligamento de Boris Johnson. “Acho que se ele conscientemente participou do que sabia ser uma festa, então não pode sobreviver a isso”, disse Nigel Mills. O deputado conservador é correligionário do primeiro-ministro.

Hoje, 13, Boris Johnson foi dar declarações ao Parlamento britânico. Em seu discurso, disse que entende a raiva das pessoas e, posteriormente, disse que pensou que fosse uma reunião de trabalho. “Milhões de pessoas tiveram que fazer sacrifícios nos últimos 18 meses e entendo a raiva que possam sentir do meu governo“. “Eu aceito minha responsabilidade, fui ao jardim naquele dia e acreditei que era uma reunião de trabalho“, completou o premiê.

publicidade

Veja Também:

Sucesso na Internet:

Continue Lendo

Title

FMI FMI
Moedas e Câmbio37 minutos atrás

FMI diz que criptomoedas andam junto com ações

Um relatório do FMI apontou que os preços das criptomoedas têm forte correlação com o mercado de ações. Apesar disso,...

Pix bate novo recorde e atinge marca de R$ 52,395 milhões de transações Pix bate novo recorde e atinge marca de R$ 52,395 milhões de transações
Economia59 minutos atrás

Pix bate novo recorde e atinge marca de R$ 52,395 milhões de transações

Mostrando que veio para ficar, o Pix, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central bateu seu novo recorde diário de...

Arthur Lira Arthur Lira
Economia1 hora atrás

Arthur Lira critica governadores sobre o ICMS

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, criticou governadores pela medida que dá fim ao congelamento do ICMS para...

Coreia do Norte Coreia do Norte
Política2 horas atrás

Grupo da Coreia do Norte é notado por ataques às criptos

O grupo Lazarus ganhou notoriedade por mais um ataque cibernético a um sistema de criptomoedas. Mesmo que estejam na Coreia...

CRI CRA CRI CRA
Investimentos3 horas atrás

CRI e CRA: entenda essa modalidade de renda fixa

Os títulos de renda fixa estão em alta no mercado e saber como cada modalidade funciona pode ajudar você na...

INSS INSS
Direitos do Trabalhador4 horas atrás

INSS suspende perícias do auxílio-doença

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) suspendeu na terça-feira, 12, as perícias médicas para a revisão do auxílio doença...

ICMS ICMS
Economia1 dia atrás

ICMS: congelamento do imposto terminará no fim do mês

A medida de congelamento do ICMS para os combustíveis, programada para durar três meses, terminará no dia 31 de janeiro....

Ipespe Ipespe
Política1 dia atrás

Ipespe: Lula tem 44% dos votos contra 24% de Bolsonaro

Se as eleições fossem hoje, o ex-presidente Lula teria uma grande folga em relação ao segundo colocar, Bolsonaro, para uma...

Caixa libera Auxílio Emergencial para pais solteiros de até R$ 3.000 Caixa libera Auxílio Emergencial para pais solteiros de até R$ 3.000
Economia1 dia atrás

Caixa libera Auxílio Emergencial para pais solteiros de até R$ 3.000

Já foi liberada pela Caixa Econômica Federal a parcela retroativa do Auxílio Emergencial para o grupo de pais solteiros. O...

Nubank Nubank
Bancos1 dia atrás

Nubank deixa de ser banco mais valioso da América Latina

Depois de ser o IPO mais aguardado de 2021, o Nubank deixou de ser o banco mais valioso da América...

Mais lidos