InícioInvestimentosInvestimento: como funciona a exportação direta e indireta?

Investimento: como funciona a exportação direta e indireta?

Ter o seu produto exportado é o sonho de muitas empresas que buscam alcançar outros mercados e patamares ainda maiores quando o assunto é expansão nas vendas. E dentre os benefícios da exportação, destaque para a participação em um segmento cada vez mais em alta.

Segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), cada vez mais as empresas estão aderindo ao processo de exportação, onde nos últimos anos o número só vem aumentando, beneficiando também o país.

Entretanto, para colher os benefícios de exportar, antes é preciso entender quais os dois processos a empresa pode ser enquadra, sempre levando em consideração o perfil da empresa e da necessidade de mercado. Quer saber mais? Veja abaixo

Como funciona a exportação direta

Como falamos, antes de você saber quais os benefícios de exportar, é bom entender como funciona cada tipo de exportação.

Vamos começar pela exportação direta, onde a própria empresa é responsável por todo o procedimento, que começa desde a fabricação do produto até a captação e negociação dos clientes estrangeiros, registros junto à Receita Federal e despacho da mercadoria para o país importador.

Para esse tipo de exportação é recomendado a contratação de uma empresa, chamada de Traders, que fazem essa intermediação com o cliente visto alguns processos burocráticos exigidos.

Conheça a exportar indireta

A outra é a exportação indireta, onde a empresa participa apenas da fabricação do produto e todo o resto da negociação e envio das mercadorias é feita por uma empresa estabelecida no Brasil, conhecida como Comercial Exportadora, que compra a mercadoria da fabricante para exportar, ficando ela responsável pela captação de clientes externos e diminuição dos riscos.

Benefícios de exportar

Agora que você já conhece os dois processos de exportação, chegou a hora de entender os benefícios de exportar.

  1. Redução de impostos

Com a finalidade de ter produtos fabricados nacionalmente mais competitivos no mercado internacional, o governo libera uma redução de alguns impostos, normalmente, cobrados para a comercialização interna, isentando a empresa de IPI, ICMS, Cofins, PIS e IOF.

  1. Variedade de mercado

Quando você amplia os olhares da sua empresa para outros mercados, sua marca se torna mais competitiva e consegue variar no tipo de trabalho que está sendo feito. Com mais competividade, comercializar os produtos para clientes estrangeiros é uma vantagem da exportação que mais atrai novos empresários.

  1. Melhora a qualidade do produto

Se a você escolheu exportar de forma direta ou indireta, é importante entender que para ter sucesso internacionalmente é necessário oferecer qualidade e produto diferenciado do que o mercado já tem.

Ou seja, quando a empresa começa a exportar, ela se valoriza ainda mais e deixa de fazer o mesmo, oferecendo diferenciais e desenvolvendo um produto mais competitivo, o que fortalece, diretamente, a presença e rentabilidade deste no mercado interno também.

  1. Modernização

Assim, para melhorar a qualidade do produto que vai ser enviado para o exterior, é necessária uma modernização de equipamentos, fornecer treinamento aos funcionários e adquirir conhecimento das principais tendências do que o mercado exportador está buscando.

 

Raquel Luciano
Jornalista formada pela Universidade Nove de Julho com experiência na produção de matérias para portais de notícia nos estados do MS, BA, MG e SP. Atualmente é Redatora do Sua Finança.
Leia Também

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

MAIS LIDOS