Connect with us

Economia

Entenda o porquê das comidas de São João terem subido acima da inflação

Publicado

on

A pandemia impossibilitou os brasileiros de realizarem diversas festas típicas de determinadas épocas do ano, uma delas é a de São João, que ocorre entre os meses de junho e julho. Nesse sentido, após dois anos de medidas restritivas em relação a eventos, em 2022 as pessoas puderam voltar a realizar tais comemorações.

Contudo, o que os brasileiros não contavam era que a alta dos preços chegasse exatamente no momento de abertura da economia. Com isso, embora as festas de São João estejam liberadas, estas deverão ser um pouco menos fartas do que estávamos acostumados a ver nos anos que antecederam a pandemia.

Isso se deve pelo fato dos pratos típicos que comumente compõem as barracas da festa de São João terem subido acima da inflação. Até maio, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) foi de 10,08% no acumulado de 12 meses, já os ingredientes para fazer bebidas e pratos típicos subiram 13,12% no mesmo período.

Algumas comidas típicas da festa de São João dobraram de valor

De acordo com o levantamento feito pela FGV, era possível comprar um saco de milho por R$35, agora será necessário gastar aproximadamente R$70 pelo mesmo produto. Outros 26 itens da festa de São João foram levantados pela pesquisa da FGV. Existe uma possibilidade de ter a escassez de alguns devido ao aumento.

publicidade

Como na maioria das vezes não há possibilidade de substituir os ingredientes que compõem estes pratos, a solução é realizar uma boa pesquisa de preços para garantir o menor valor possível ao realizar a compra dos produtos e garantir que não falte os pratos mais tradicionais na festa. Abaixo, segue a lista de alguns dos produtos e sua variação de preço:

Batata Inglesa – 71,35%
Açúcar refinado – 42,02%
Mação – 28,68%
Açúcar cristal – 26,8%
Milho de pipoca – 20,95%
Leite longa vida – 18,03%
Bolo – 17,7%
Farinha de trigo – 16,78%
Aipim/mandioca – 16,03%
Fubá de milho – 15,63%
Pão francês – 15,6%
Ovos – 15,1%
Batata doce – 13,83%
Milho em conserva – 12,08%
Queijo minas – 11,23%
Salsicha – 11%
Leite condensado – 10,67%
Refrigerante/Água mineral – 10,9%
Linguiça – 10,1%
Cerveja – 9,4%
Vinho 2,6%

Somente dois produtos da cesta tiveram queda no período pesquisado, o leite de coco e o arroz, com reduções de -2,36% e -8,98%, respectivamente. A festa de São João, neste ano, estará definitivamente mais cara para o bolso dos brasileiros

O que motivou o aumento dos preços acima da inflação 

De forma geral, neste período de pandemia, o aumento de preços foi bastante elevado, tendo seu aumento reforçado pela guerra entre Ucrânia e Rússia, que impactou a comercialização de petróleo em todo o mundo, encarecendo o combustível e, consequentemente o valor do frete que é embutido nos produtos comercializados no Brasil.

Contudo, em relação aos alimentos das festas de São João, houve ainda mais um agravante. Desde o início de 2020, o Brasil passa por choques climáticos, com chuvas torrenciais no verão que impactam todas as culturas de hortifruti, havendo uma escalada de preços nos itens mais básicos da cesta.

publicidade

Sendo assim, para aqueles que pretendem realizar uma festa de São João, vale a pena definir um teto de gastos para não ser surpreendido com os preços que estão sendo praticados no atual momento. Além disso, vale reforçar a tradicional dica de cada pessoa levar seu prato típico, dividindo, assim, os gastos.

O post Entenda o porquê das comidas de São João terem subido acima da inflação apareceu primeiro em Brasil123.

publicidade
Clique e Deixe seu Comentário

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.