Connect with us

Sem categoria

Economia: o conflito entre a Rússia e a Ucrânia pressiona a inflação global

Publicado

on

Conforme informações oficiais do Banco Central do Brasil (BCB), os efeitos cumulativos do aperto monetário em curso, persistência de choques de oferta e antecipações de governamentais às famílias para o 1º semestre contribuem para projeção de arrefecimento da atividade no 2º semestre. Confira outros apontamentos realizados pelo Banco Central do Brasil (BCB) sobre a economia e seus diversos cenários!

Economia: o conflito entre a Rússia e a Ucrânia pressiona a inflação global

Além disso, de acordo com o Banco Central do Brasil (BCB), a incerteza na projeção permanece maior do que a usual, em cenário de continuidade da guerra na Ucrânia e de riscos crescentes de desaceleração global em cenário de inflação pressionada, tal como enfatizou o Copom em sua última reunião.

Assim sendo, pela ótica da oferta, destacam-se as altas nas previsões para indústria e serviços, refletindo, especialmente, o resultado no 1º tri e o conjunto disponível de dados para o 2º tri.

Sobre o consumo das famílias 

Segundo o Banco Central do Brasil (BCB), entre os componentes da demanda doméstica, destacam-se a alta no consumo das famílias e o recuo na FBCF, também refletindo, especialmente, o resultado no 1º tri e o conjunto disponível de dados para o 2º tri.

publicidade

Condições Financeiras

De acordo com o Banco Central do Brasil (BCB), os principais fatores para condições financeiras mais restritivas foram:

crescimento das taxas de juros futuras no Brasil, nos EUA e em outros países avançados;
elevação do preço do petróleo;
queda nas bolsas de valores doméstica e no
mundo;
queda dos preços de commodities metálicas;
elevação do Credit Default Swap (CDS) Brasil; e
valorização do dólar frente a outras moedas.

De acordo com o Banco Central do Brasil (BCB), no sentido contrário, atuaram, em menor medida:

queda do VIX;
apreciação do real; e
elevação dos preços de commodities agrícolas.

Projeção para a evolução do crédito em 2022

Conforme destaca o Banco Central do Brasil (BCB), a revisão altista na projeção de crescimento do saldo, de 8,9% para 11,9%, refletindo inflação mais alta, atividade econômica mais forte, mudanças no consignado e incorporação de novas concessões no âmbito de Pronampe e Peac.

publicidade

O cenário ainda é de desaceleração em relação ao robusto crescimento registrado em 2020 e 2021, em linha com aperto monetário vigente, destaca o Banco Central do Brasil (BCB).

Projeções condicionais para a inflação

Considerando as hipóteses no cenário de referência e a trajetória para a taxa de juros da pesquisa Focus, a Selic termina 2022 em 13,25% a.a., reduz-se para 10,0% em 2023 e 7,50% em 2024, destaca o Banco Central do Brasil (BCB).

publicidade
Clique e Deixe seu Comentário

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.