Como invisto meu dinheiro?

O planejamento tributário é muito importante na hora de investir o seu dinheiro, até porque as principais e mais conhecidas aplicações possuem a tributação e os benefícios fiscais.

Risco, retorno e prazos são fatores de grande relevância antes de avaliar uma aplicação financeira. Os impostos circunstanciais presentes em cada operação, na maioria das vezes, é o ponto ignorado quando você está definindo o melhor destino para sua grana.

O planejamento tributário é um mecanismo de gestão de negócios que pode te fazer economizar dinheiro de forma lícita e segura. Através da gestão do pagamento dos tributos é possível minimizar os custos fiscais e diminuir as despesas do seu negócio. Dessa forma, você tem um bom retorno em todas as suas aplicações e aproveita todos os benefícios previstos em lei.

Planejamento

No momento de adotar a melhor modalidade para investir seu dinheiro, é aconselhável ter conhecimento acerca dos tributos, das conseqüências dos encargos nos rendimentos e dos benefícios fiscais do atendimento.

É de extrema importância que o planejamento seja levado em conta tanto para prestar contas com o Leão, que dependerá da organização de cada um, e no caso dos investidores, é muito importante guardar todos os papéis referentes às transações e operações efetuadas, quanto para tirar proveito das isenções, que se dá até um valor limite de transação, assim como acontece na renda variável

Tributação

As aplicações mais comuns do mercado possuem tributação e benefícios, veja abaixo:

CDB e Fundos DI:

Em determinados tipos de impostos como, por exemplo, o IR e o IOF, conforme o tempo em que o seu dinheiro permanecerá aplicado as alíquotas irão sofrendo variação. Citando o IOF, caso você queria sacar o dinheiro antes de completar 30 dias que ele foi aplicado ocorrerá a tributação que será aplicada sobre o lucro obtido, o que faz com que seja proporcional com os dias de aplicação, ou seja, quanto menos tempo o seu dinheiro ficar investido, maior será a alíquota que terá que pagar.

Seguindo os seguintes intervalos, podemos ver que para o Imposto de Renda, a alíquota também varia de acordo com o tempo de aplicação. Confira:

  • O correspondente a 22,5% será cobrado para aplicações que foram feitas em até 180 dias da data que deseja sacar o dinheiro;
  • O correspondente a 20% será cobrado para aplicações que foram feitas de 181 a 360 dias da data que deseja sacar o dinheiro;
  • O correspondente a 17,5% será cobrado para aplicações que foram feitas de 361 a 720 dias da data que deseja sacar o dinheiro;
  • O correspondente a 15% será cobrado para aplicações que foram feitas acima 720 dias da data que deseja sacar o dinheiro.

Ações:

Nas operações de Renda Variável que forem realizadas, em vendas que ultrapassarem mais de R$20 mil mensalmente, a alíquota implantada será correspondente a 15% sobre o lucro de capital obtido com a transação, para calcular o Imposto de Renda. No caso de operações do tipo Day Trade funciona da mesma forma, mas a alíquota é maior, sendo aplicado 20% sobre o valor.

Além disso, a alíquota é de 0,005%, como antecipação, podendo ser compensado com o imposto de renda mensal na apuração do ganho líquido em todas as operações realizadas em bolsas de valores, mercadorias, de futuros e semelhantes estão sujeitas à aplicação do imposto de renda na fonte, e no caso das aplicações do tipo Day Trade, assim como falamos, a alíquota é maior e corresponde a 1% referente ao valor.

Em contrapartida, valor igual ou menor a R$ 20.000,00 mensais para o conjunto de ações, os ganhos líquidos que sejam de pessoas físicas em operações no mercado à vista de ações, estarão isentas do Imposto de Renda, não sendo necessário realizar o pagamento da taxa. Dessa vez as operações do tipo Day Trade não funcionam da mesma maneira, e independente do valor terá que pagar o IR, não tendo a possibilidade de isenção.

Previdência Privada:

Na Previdência Privada você encontrará dois padrões de tributação diferentes entre sí, sendo eles:

  • Progressivo: nesse modelo, pode ser feita a compensação através da declaração feita anualmente, sendo que acompanha a tabela progressiva do IR;
  • Regressivo: se você busca fazer um investimento a longo prazo, esse modelo é o mais recomendado para você, uma vez que as alíquotas do imposto vão variando e sofrendo diminuição à medida que o tempo vai passando, sendo que para investimentos feitos em até dois anos ela pode chegar a 35%, e nos realizados a mais de dez anos elas vão para 10%, lembrando que esse modelo é uma tributação exclusiva.

Dependendo da renda tributável do colaborador, quando falamos de benefícios fiscais, poderá ser descontado sobre o valor do imposto a ser pago até 12% referente à renda, nas contribuições aos planos do tipo PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre). Nos outros tipos de planos como o VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) não existe a possibilidade de obter o desconto, mas a tributação só é aplicada sobre os lucros obtidos, e já o PGBL não funciona da mesma forma, e os encargos são aplicados sobre o valor total que foi aplicado, o que faz com que o valor a ser pago seja maior.

Você pode saber mais informações e ficar por dentro de mais detalhes clicando aqui.