Investimentos: Conceitos e tipos

Para que não haja dúvidas na hora de fazer o seu investimento, é necessário se manter informado, o que irá ajudar na hora de fazer suas escolhas. No mundo dos investimentos existem expressões comumente utilizadas, entenda mais sobre cada uma delas:

Ações PN e ações ON: a diferença entre elas está nos direitos que são dados aos compradores de cada tipo de ação de uma empresa. Quem tem a posse de ações ordinárias (ON) pode interferir na gestão da companhia através do direito que ele apresenta de votar nas assembléias. Já quem é portador de ações preferenciais (PN) tem prioridade no recebimento de dividendos que são gerados pela empresa, mas somente em casos excepcionais apresentam o direito de votar nas assembléias

Análise Fundamentalista: é o que se espera que irá acontecer com o valor das ações através do estudo realizado com base nas características da empresa. Além de informações da economia de modo geral, esse tipo de análise também usa outros tipos de informações da empresa como dados do mercado em que ela atua, seus balanços, políticas e gestores.

Análise Técnica: também conhecida como análise gráfica, ela esquematiza a variação e comportamento dos preços das ações através de cotações que já tinham sido realizadas anteriormente. Quem utiliza este tipo de técnica analisam figuras gráficas, que representam gráficos em busca de padrões, que quase sempre tem uma definição que esta relacionada com a tendência que determinada ação representa.

Blue Chip: vem do inglês, e é a nomenclatura que é adotada às ações de primeira linha. Originada dos cassinos, onde as fichas azuis são as que apresentam maior valor, na bolsa de valores e no mundo dos investimentos, essas ações são as das companhias que apresentam maior base financeira e maior quantidade de negociações.

Dividendos: representam as partes do lucro da empresa que são divididos e distribuídos entre os donos das ações. Os acionistas, pela Lei das S.A, têm o direito de receber no mínimo 25% do lucro líquido ou a parte dos ganhos instituída no estatuto, como dividendo obrigatório, em cada exercício.

Homebroker: é um sistema de operações do mercado das ações que permite que os investidores acessem a bolsa de valores através da internet.

Ibovespa: as principais ações comercializadas na Bovespa apresentam um indicador que acompanha a evolução média dos valores dessas ações, e este indicador é chamado de Ibovespa.

IPO: em português significa Oferta Pública Inicial, e diz respeito ao procedimento de abertura de capital de uma companhia quando, na bolsa de valore, suas ações passam a ser comercializadas.

Liquidez: refere-se à possibilidade e facilidade de resgatar ou liquidar um investimento realizado, transformando-o em dinheiro. Por exemplo: um imóvel apresenta uma liquidez baixa, pelo fato da necessidade de se encontrar um comprador para aquele bem, o que faz com que ele demore mais para ser convertido em dinheiro. Já uma caderneta de poupança onde a pessoa consegue pegar o valor que foi aplicado de forma mais fácil e a qualquer momento, faz com que ela tenha maior liquidez.

Renda Fixa: quando a rentabilidade do investimento pode ser calculada no momento da aplicação, e quando é possível saber a forma de cálculo. Os fundos DI, os CDBs, a caderneta de poupança e os títulos públicos, são exemplos de investimentos com renda fixa.

Esse tipo de aplicação é considerado de maior segurança, sendo assim mais indicada para os investidores com o perfil mais conservador, pelo fato da possibilidade de saber antecipadamente qual será o retorno ou sua forma de cálculo.

Renda Variável: são investimentos que são realizados sem que se saiba a rentabilidade e o retorno que se terá. O valor das aplicações sofre variações a todo instante, como o próprio nome deixa claro.

Small Caps: significa e refere-se à pequena capitalização. Termo do inglês, utilizado para empresas com bens menores, onde as ações apresentam baixa liquidez, pelo fato de serem menos negociadas na bolsa

Títulos Públicos: com a finalidade de obter recursos para financiar atividades relacionadas à saúde, educação e projetos de infraestrutura, bem como o pagamento das dívidas públicas, o Governo Federal lança os títulos públicos.

A pessoa que investe em títulos públicos, na verdade, em troca de remuneração, esta emprestando dinheiro ao governo. O valor investido é devolvido com os juros e correções no final da aplicação.

Os títulos públicos podem ser divididos em pré e pós-fixados. Cada um dos vários tipos de títulos pode ter seus rendimentos vinculados aos mais diferentes índices, como a taxa SELIC, o IPCA ou IGP-M.

Tesouro Direto: com a finalidade de facilitar a negociação de títulos públicos para pessoas físicas, o governo criou o programa em 2009. Através de um cadastro realizado pela pessoa, que pode ser feito em um banco ou corretora habilitada no Tesouro Direto, todas as transações do programa são realizadas apenas pela internet.

Volatilidade: refere-se à frequência e intensidade das variações nos preços dos ativos ou índices financeiros, como fundos de investimentos, ações, títulos públicos, etc.

Quando a rentabilidade de um investimento realizado esta mais sujeita a variações, significa que o investimento é muito volátil.